Como o sono se transformou em um negócio dos sonhos para as startups

Compartilhe este post

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

O simples ato de dormir bem emerge como um ativo valioso na economia do bem-estar; segmento movimenta hoje em torno de 85 bilhões de dólares.

“Então, lutando para continuar dormindo, desejando que o sonho durasse para sempre, certo de que, uma vez que acabasse, jamais voltaria… você desperta.” À primeira vista, o trecho, da obra best-seller Sandman, do escritor e quadrinista Neil Gaiman, narra apenas o derradeiro momento do sono. No entanto, para os que sofrem para atingir o descanso pleno, na verdade a cena descrita é um martírio: de um terço à metade dos adultos em todo o mundo lida com algum tipo de distúrbio do sono, sendo que pelo menos 15% têm insônia crônica — dormem mal ou não dormem no mínimo três vezes por semana. No Brasil, a parcela dos que vagam na madrugada chega a 25% dos adultos.

A origem do sono escasso, contudo, é diversa. Listam-se predisposições genéticas, idade, doenças crônicas, além de maus hábitos, como uso de álcool em excesso e estimulantes. Mas, se há uma dor a ser sanada, há um negócio em potencial. Com um objetivo bastante simples, o de alentar os que não pregam os olhos, startups do sono ganham espaço e propõem uma nova saída: usar da tecnologia, se valendo de terapias certificadas e gadgets (ironicamente, os smartphones), para ajudar os usuários a colocar um fim à insônia.

O faturamento dessas companhias já chegou a 85 bilhões de dólares, e em 2023 esse número deverá atingir 101 bilhões de dólares. E há terreno para explorar. Examinando o cenário, a economia do sono se divide em três categorias: conforto de ambiente (roupa de cama, iluminação e controle de temperatura), controladores de rotina (citam-se aqui monitores de sono ou aplicativos de meditação) e tratamentos terapêuticos (como orientação psicológica, medicamentos com ou sem prescrição médica e dispositivos clínicos para apneia do sono). 

Ainda que seja um novo segmento, as pesquisas estão aceleradas. Em 2020, pelo menos 611 milhões de dólares foram computados em investimentos para startups desenvolverem produtos relacionados ao sono. Para este ano, esperam-se no mínimo 700 milhões de dólares.

Fonte: Revista Exame.

Se inscreva na nossa newsletter

Receba atualizações e fique por dentro da Sleep Well

Talvez você goste

O Mercado do Sono

Distúrbios do sono no Brasil atingem, pós pandemia, mais de 100 milhões de pessoas, segundo a Associação Brasileira do Sono (ABS). Para a maioria da

Que tal conhecer mais sobre a Sleep Well?

Confira abaixo